Estacionamento vira centro para bicicletas


Vencedora de uma competição de design sustentável, a arquiteta Annie Scheel criou esse centro de facilidades, com café, vestiário e oficina, para estacionar as magrelas

Bike guardada em segurança
À medida que aumenta o uso de bicicletas nas cidades, cresce a necessidade de estruturas que facilitem a vida do ciclista, como um bom lugar para deixar as magrelas. A arquiteta Annie Scheel ganhou uma competição de design sustentável em Delaware, nos EUA, com a proposta de transformar um antigo estacionamento em um centro de facilidades para ciclistas na Filadélfia, com restaurante, vestiário, loja, aluguel de bicicletas e um estacionamento para as bicis.

No Brasil, um projeto semelhante já está em funcionamento desde 2001, em Mauá (SP). É a Ascobike, associação de ciclistas criada por um funcionário da Companhia de Trens Metropolitanos (CPTM) que tinha a missão de dar um jeito nas bicicletas paradas em frente à estação de trem. Com espaço para 1700 bicicletas, a Ascobike é o maior estacionamento para bicicletas das Américas e oferece também chuveiros, oficina de reparos, empréstimo de bicicletas, café e água, apoio jurídico e assistência social.

Estacionamento

O bicicletário em si é a estrela da festa. Nada como ter um lugar coberto e seguro para deixar as bicicletas durante o dia, sem ter que se preocupar com roubos. Ganchos no teto otimizam o espaço e permitem que mais bicicletas sejam colocadas no mesmo lugar.

Café

Um local para beber água, cafezinho ou fazer um lanche – principalmente se a distância percorrida for grande. O local também serve de ponto de encontro para os ciclistas.

Integração com Transporte Público

Um bom bicicletário fica perto, ou junto, de uma estação de metrô ou trem. Assim as pessoas podem deixar as bicicletas e terminar de chegar de transporte público a seus destinos.

Lojinha

Pisca-piscas, coletes refletivos, capacetes, bagageiros: a lojinha de um centro de facilidades para ciclistas seria acessível, com bons preços e produtos voltados para o ciclista urbano.

Oficina

A oficina mecânica deve praticar preços baixos, para democratizar o acesso ao serviço. Regular as marchas e os freios, consertar partes quebradas e mesmo fazer uma revisão geral não deve ser caro.

Vestiário com chuveiro

Importantíssimos para quem quer usar a bicicleta, mas não quer chegar ao seu destino suado. Uma opção para quem quer pedalar distâncias maiores, todavia não tem vestiário no trabalho.

Acessibilidade

Locais para estacionar as bicicletas que sejam mais fáceis de usar para idosos, grávidas e pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida. Os espaços para parar as bikes ficam no chão, não em ganchos no teto.

Aluguel de Bicicletas

Para turistas ou quem ainda não tem uma bike. O local pode ser integrado a um sistema de bicicletas públicas, como o Vélib, da França. Também pode emprestar bikes para quem deixou a sua na oficina.

Anúncios
Esse post foi publicado em Bike, Brasil, Planejamento Urbano, Transporte, Transporte Alternativo. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s